Esposa vai questionar homem que estava em bar com outras mulheres, é espancada e colocada para fora de casa

Compartilhe

Foto Iluxtrativa

Mulher foi agredida com socos no rosto e chutes no corpo

Uma mulher de 40 anos procurou a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), nesta quinta-feira (27), em Campo Grande depois de ser espancada e colocada para fora de casa. O caso aconteceu no Jardim Noroeste.

A vítima contou que na quarta-feira (26) estava em casa e que seu marido com quem convive há 3 anos chegou embriagado no fim do dia. Ela foi questioná-lo sobre estar no bar na companhia de outras mulheres, sendo que o homem passou a agredi-la com socos no rosto e chutes pelo corpo. Ele ainda tentou esganar a mulher apertando o seu pescoço.

Após as agressões, o homem colocou a mulher para fora de casa e ainda disse que se ela fosse na delegacia denunciá-lo ‘a coisa ficaria feia para o lado dela’. A mulher contou estar com medo das ameaças.

Como pedir ajuda

Em Campo Grande, a Casa da Mulher Brasileira está localizada na Rua Brasília, s/n, no Jardim Imá, 24 horas por dia, inclusive aos finais de semana, para que as mulheres vítimas de violência não fiquem sozinhas, mesmo em tempos de pandemia.

Funcionam na Casa da Mulher Brasileira uma Delegacia Especializada; a Defensoria Pública; o Ministério Público; a Vara Judicial de Medidas Protetivas; atendimento social e psicológico; alojamento; espaço de cuidado das crianças – brinquedoteca; Patrulha Maria da Penha e Guarda Municipal. É possível ligar para 153.

Existem ainda dois números para contato: 180, que garante o anonimato de quem liga, e o 190. Importante lembrar que a Central de Atendimento à Mulher – 180 -, é um canal de atendimento telefônico, com foco no acolhimento, na orientação e no encaminhamento para os diversos serviços da rede de enfrentamento à violência contra as mulheres em todo o Brasil, mas não serve para emergências.

As ligações para o número 180 podem ser feitas por telefone móvel ou fixo, particular ou público. O serviço funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana, inclusive durante os finais de semana e feriados, já que a violência contra a mulher no Brasil é um problema sério no país.

Fonte: Midiamax