O que você precisa saber para começar a quinta

Compartilhe
Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta durante coletiva no dia 18 de março (Andre Coelho/Getty Images)

Mandetta segue Bolsonaro e chama Covid-19 de ‘virose’, Mourão contraria presidente e defende isolamento social, Brasil tem 57 mortes confirmadas por coronavírus, vírus tem avançado mais rápido que o projetado, estrago na economia já aparece em previsões e governadores pedem renda mínima e ajuda na saúde.

Confira o que você precisa saber para começar a quinta, dia 26 de março de 2020:

Mandetta segue Bolsonaro e chama Covid-19 de ‘virose’

No mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro afirmou que irá minimizar regras de isolamento no país determinadas pelo Ministério da Saúde, o ministro da pasta, Luiz Henrique Mandetta, abriu coletiva sobre coronavírus com tom mais positivo e chegou a falar em virose para se referir à doença.

Na contramão de Bolsonaro, Mourão defende isolamento social

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta quarta-feira que a posição do governo é de defesa do isolamento social no combate ao novo coronavírus. Em pronunciamento em rede nacional na terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu a retomada de atividades comerciais e volta às aulas.

Brasil tem 57 mortes por Covid-19, diz Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde atualizou para 57 o número de mortes confirmadas em decorrência do novo coronavírus no Brasil. O número de casos confirmados também subiu, chegando a 2.433, nos 27 estados da federação.

Confira a situação de cada estado

Vírus avança mais rápido que o previsto em Rio, SP e Brasília

A Covid-19 avança mais depressa no Brasil do que a maioria das previsões indicava até agora. As mais recentes análises da evolução da epidemia, apresentadas esta quarta-feira, indicam uma situação gravíssima à medida que a pandemia se estabelece nas capitais e nos municípios do interior.

Governadores pedem renda mínima e ajuda na saúde

Um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro radicalizar o discurso do enfrentamento ao coronavírus e defender medidas menos restritivas que as recomendadas pelos organismos internacionais, governadores defenderam em carta conjunta a adoção de “bom senso, equilíbrio e união” para impedir o avanço do novo coronavírus no país. Em reunião de mais de duas horas, eles mantiveram a divergência em relação à posição de Bolsonaro, mas minimizaram o alcance de seu ato.

Estrago na economia já aparece em prévias do PIB de 2020

Depois do derretimento do mercado de ações, que viu seis circuit breakers em apenas um mês, outro indicador de saúde da economia brasileira já começa a sentir os sintomas da infecção do coronavírus: o Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os valores produzidos no país em um ano.

Deputados fazem plano emergencial para enfrentar coronavírus em favelas

A bancada do PSOL na Câmara protocolou, nesta quarta-feira (25), um projeto de lei que promove um plano emergencial para o enfrentamento do coronavírus nas comunidades e favelas do Brasil. O projeto determina que a presidência, em conjunto com os Estados e os municípios, elabore um plano emergencial para garantir o acesso à água nas regiões menos favorecidas.

“Descartáveis” e “indignados”: idosos reagem ao pronunciamento de Bolsonaro

O pronunciamento em rede nacional do presidente Jair Bolsonaro, na noite da última terça-feira (24), sobre o combate ao novo coronavírus preocupou e revoltou idosos, apoiadores ou não do governo. O chefe do Executivo afirmou que jovens podem deixar a quarentena para trabalhar e que somente pessoas acima de 60 anos formam o grupo de risco da Covid-19, exceto ele, que “pelo histórico de atleta” sentiria uma “gripezinha” ou “resfriadinho”.

Fonte: Yahoo